quarta-feira, 29 de setembro de 2010

GHIZONI PROFESSORES/ Educação.mov

Vox Populi: Dilma está com 49% e venceria no 1º turno



A candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, aparece, pelo terceiro dia consecutivo, com 49% das intenções de voto no tracking Vox Populi/Band/iG publicado nesta terça-feira. José Serra (PSDB), segundo colocado, oscilou um ponto para cima e agora tem 25%. Já a presidenciável do PV, Marina Silva, que um dia antes contava com 13%, agora soma 12% - o que interrompe uma sequência de três dias consecutivos de crescimento. A margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos percentuais.
Apoiada pela alta popularidade do presidente Lula na região, Dilma tem o melhor desempenho entre eleitores do Nordeste: 65%. Na região, no entanto, a ex-ministra da Casa Civil já contou com até 73% das preferências. Na mesma região, Serra teria hoje 15% dos votos, de acordo com a projeção, e Marina, 7%.
Dilma ainda lidera em todas as regiões, mas encontra seu pior cenário no Sudeste, onde ela conta com 42% das intenções de voto – contra 27% de Serra e 16% de Marina. Já o candidato tucano tem mais votos no Sul (34%), contra 45% de Dilma no local.
Na pesquisa espontânea, quando os nomes dos candidatos não são apresentados, a petista aparece à frente, com 43% das citações (um ponto a mais que na pesquisa anterior); Serra tem 22% e Marina, 9%.  O tracking Vox/Band/iG conta com 2.000 entrevistas, sendo que um quarto dessa amostra é renovada diariamente.

Fonte: portal iG.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Marcos Coimbra: A “ultima hora”








No próximo domingo, a menos de uma semana da eleição presidencial, temos uma parte menor do sistema político, uma parte importante (mas minoritária) da sociedade e a maioria da “grande imprensa” em torcida animada para que a “última hora” faça com que os prognósticos a respeito de seu resultado não se confirmem.



É natural que todos os candidatos, salvo Dilma, queiram que alguma reviravolta aconteça. Os três partidos que dão apoio a Serra, o PV de Marina Silva, os pequenos partidos de esquerda, todos torcem pelo “fato novo”, a “bala de prata”, algo que a golpeie. Do outro lado, a ampla coligação que Lula montou para sustentar sua candidata (e que formará, ao que tudo indica, a maioria do próximo Congresso) espera que nada altere o quadro.


Hoje, Dilma lidera em todas as regiões do país, jogando por terra as análises que imaginavam que as eleições consagrariam um fosso entre o Brasil “moderno” e o “atrasado”. Era o que supunham aqueles que leram, sem maior profundidade, as pesquisas, e acreditavam que Serra sairia vitorioso no Sul e no Sudeste, ficando com Dilma o voto do Nordeste, do Norte e do Centro-Oeste. Não é isso que estamos vendo.

Ela deve vencer em todos os estados, em alguns com três vezes mais votos que a soma dos adversários. Vence na cidade de São Paulo, na sua região metropolitana e no interior do estado. Lidera o voto das capitais, das cidades médias e das pequenas. É a preferida dos eleitores que residem em áreas rurais.




As pesquisas dão a Dilma vantagem em todos os segmentos socioeconômicos relevantes. É a preferida de mulheres e homens (sepultando bobagens como as que ouvimos sobre as dificuldades que teria para conquistar o voto feminino), de jovens e velhos, de negros e brancos. Está na frente entre católicos, evangélicos, espíritas e praticantes de religiões afro-brasileiras.

Vence entre pobres, na classe média e entre os ricos (embora fique atrás de Serra entre os muito ricos). Lidera entre beneficiários do Bolsa Família e entre quem não recebe qualquer benefício do governo. Analfabetos e pessoas que estudaram, do primário à universidade, votam majoritariamente nela.




É claro que sua candidatura não é uma unanimidade. Existe uma parcela da sociedade que não gosta dela e de Lula, que nunca votou e que nunca votará em alguém do PT. São pessoas que até toleram o presidente, que podem achar que é esperto e espirituoso, que conseguem admirar aspectos de seu governo. Mas que querem que Dilma perca.


Se, então, Dilma reúne ampla maioria no eleitorado e apoios majoritários no sistema político, o que seria a “última hora”? O que falta acontecer, de hoje a domingo?
Formular a pergunta equivale a considerar que o eleitorado ainda não sabe o que vai fazer, que aguarda a véspera para se decidir. Que “tudo pode mudar”.

É curioso, mas quem mais acredita que os outros são volúveis são os mais cheios de certezas, os mais orgulhosos de suas convicções. Mas acham que o cidadão comum (o “povão”) é diferente, que é incapaz de chegar com calma a uma decisão pensada e madura.




É fato que sempre existe uma parcela do eleitorado que permanece indecisa até o final. Já vimos, em eleições anteriores, que ela pode oscilar, saindo de uma candidatura e indo para outras. Conforme o caso, sua movimentação pode provocar resultados inesperados, como ocorreu com o segundo turno em 2006.

Mas aquelas eleições também mostram como acontecem esses fenômenos de “última hora”. Nelas, a única coisa que um quase uníssono da “grande imprensa” contra a candidatura Lula conseguiu fazer foi assustar os eleitores mais frágeis, com baixa informação e baixo interesse por política. Os dados indicam que os eleitores mais informados e com alto e médio interesse em nada foram afetados pela artilharia da mídia (assim como os sem nenhum, que nem ficaram sabendo que havia “aloprados”).

Ou seja: aquela gritaria só fez com que as pessoas mais inseguras a respeito de suas escolhas ficassem confusas, ainda que apenas por alguns dias. Mal começou a campanha do segundo turno, Lula reassumiu as rédeas da eleição e avançou sem problemas até a consagração no final de outubro. É como o título daquela comédia: “Muito barulho por nada”.

Marcos Coimbra é sociólogo e presidente do Instituto Vox Populi



quarta-feira, 22 de setembro de 2010

O que é isso minha gente?


A eleição está chegando e no horário político não se vê debate político, o bom debate das idéias, dos projetos em disputa, dos rumos que o Brasil e o Estado devem seguir. O debate das propostas e dos projetos de desenvolvimento que cada candidato defende para garantir a qualidade de vida e o bem estar da população.

As idéias, os projetos e o debate político foram substituídos pela contagem das obras físicas realizadas. Quem fez mais obras é o que importa. Aquilo que era 40 escolas vira 1200 obras; uma reforma vira uma obra; a troca de uma lâmpada, mais uma obra. Até enterrar um morto e cortar a grama do jardim já viraram obras. O asfaltamento de uma estrada de 10 km vira milhares de quilômetros de asfalto realizado. São tantas obras, mas tantas obras, que se fossem verdadeiras a gente tava ferrado. Ainda bem que a maioria delas é obra de ficção, de computador.

Fazer obras é obrigação de todos os governantes. O dinheiro é público, é o nosso dinheiro, o dinheiro dos impostos. Eu nunca vi algum político fazer alguma coisa para o bem do povo com o seu próprio dinheiro. Vi sim, muitos deles fazerem obras superfaturadas para desviar o dinheiro público. Ficarem ricos no cargo. Você sabe disso, você conhece muitas denúncias deste tipo. Uma árvore de Natal, a reforma de uma Câmara de Vereadores, um hospital novo nem inaugurado e já tá velho, a mesma empresa fazendo diversas obras ao mesmo tempo, todas atrasadas, uma merenda escolar privatizada mesmo com o Tribunal de Contas recomendando contra, um ginásio de esportes que caiu logo após a inauguração. Será que tudo isso é mera coincidência?

Pois é, os marqueteiros transformaram o marketing político em marketing de obras. Onde ficam as idéias? O candidato que nunca governou, que é candidato pela primeira vez, já está excluído de cara. Coitado, que obra física ele pode ter realizado? E assim, como no BBB, fica eliminado de cara. Mesmo que tenha grandes e boas idéias.

Na próxima eleição eu sugiro incluir a obrigatoriedade condicional para ser candidato: o candidato deve ter no currículo no mínimo 1000 obras realizadas. Quem não fez essa “merreca de obra” que nem se aventure a ser candidato, afinal ele já começa derrotado.

O que mais me impressiona é a passividade da sociedade, dos movimentos organizados e principalmente dos meios de comunicação e seus colunistas políticos diante de tanta barbaridade. Cadê a vigilância apregoada pelos meios de comunicação? Vocês estão calados, estão sem assunto político para comentar? Não tem debate político no horário político e vocês não dizem nada?

Até o judiciário está protelando o julgamento de candidatos e a publicação dos acórdãos já julgados para proteger candidatos ficha suja e ninguém diz nada. Será que é isso o que queremos? Será que é isso que a sociedade espera de nós? Como podemos reclamar que o eleitor não está assistindo o horário político? É lógico, não tem política no horário político. Bravos são aqueles que perdem o seu tempo na frente da TV ou do rádio contando obras, identificando quem mente mais, quem engana melhor.

O povo é sábio, vai distinguir quem é quem na arte de mentir, de fazer teatro de realizar obras de ficção.

Minha última sugestão: mudar o nome de horário político eleitoral para “horário obral eleitoral” - fica mais verdadeiro.

Infelizmente esta é a realidade do momento eleitoral. Mas nem tudo está perdido, sempre tem alguém que consegue furar o cerco “obral” e fazer política, apresentar suas idéias, cativar o eleitor e vencer a eleição.

João Ghizoni

Candidato a Senador pelo PCdoB em Santa Catarina

domingo, 19 de setembro de 2010

Encontro dos Amigos do Ghizoni






Veja todas as fotos do Encontro dos Amigos do Ghizoni em nosso Fliker. Um abraço especial a todos! Rumo à Vitória!

sábado, 18 de setembro de 2010

Denuncismo da oposição não cola em Dilma, que mantém 51%

A candidata à Presidência, Dilma Rousseff, manteve, pela terceira pesquisa consecutiva, o índice de 51% de intenções de voto, segundo levantamento Ibope/Estado/TV Globo. Se a eleição fosse hoje, ela venceria no primeiro turno. Nas últimas duas semanas, Marina Silva subiu um pouco e Serra oscilou para baixo. O resultado da sondagem mostra que a estratégia da oposição de tentar vincular Dilma a denúncias de quebra de sigilo fiscal e tráfico de influência não está funcionando.

 Pesquisa Ibope 17/09

O candidato do PSDB variou de 27% para 25%, patamar mais baixo desde o início da campanha eleitoral. Ele tem agora menos da metade do índice da adversária petista. Já Marina atingiu, pela primeira vez, um índice de dois dígitos no Ibope: subiu de 8% para 11%.

Os movimentos coincidem com a tentativa tucana de utilizar eleitoralmente a quebra do sigilo fiscal de pessoas ligadas ao partido. O assunto tem sido tema central da campanha de Serra, pai de uma das vítimas. Ele levou o caso ao programa eleitoral e, em debates e entrevistas, tenta - pelo visto sem sucesso - atrelar Dilma ao episódio. Marina também cobrou explicações e providências do governo em relação ao caso.

A pesquisa foi feita ainda após a denúncia de envolvimento do filho da ex-ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, em um suposto esquema de tráfico de influência que beneficiaria empresas privadas com interesses no governo. Para que o assunto possa ser esclarecido, a ministra pediu afastamento do cargo na quinta-feira - terceiro e último dia em que os pesquisadores do instituto estiveram em campo.

Com esse resultado, Dilma seria eleita no primeiro turno se a eleição fosse realizada hoje, com 58% dos votos válidos - excluídos os nulos e em branco e os eleitores indecisos.

A três semanas da eleição, a pesquisa mostra aumento da expectativa de vitória da petista: para 72%, ela será a sucessora do presidente Luiz Inácio Lula da Silva - há duas semanas, eram 69% os que faziam essa previsão. Os que acreditam em uma vitória de Serra eram 17% e caíram para 14%. Os índices de rejeição se mantiveram inalterados: 19% para Dilma e 26% para Serra.

Sexo, renda e escolaridade

Marina teve o maior crescimento, e Serra a maior queda, entre os eleitores com escolaridade superior - em tese, os mais bem informados sobre as denúncias. Nessa faixa, a candidata do PV cresceu oito pontos porcentuais, chegando a 21%. Já o tucano caiu de 36% para 30%, enquanto Dilma permaneceu com 36%. A leitura possível é a de que, quanto mais bate em Dilma, pior para o postulante tucano.

No segmento com renda mais alta, acima de cinco salários mínimos, a preferência por Serra caiu de 34% para 29%, enquanto a por Marina subiu de 13% para 19%. Dilma, nessa faixa, oscilou de 39% para 40%.

Na divisão do eleitorado por gênero, Marina subiu quatro pontos entre as mulheres (de 8% para 12%) e três entre os homens (de 7% para 10%). Dilma manteve seus percentuais, enquanto Serra passou de 28% para 25% no segmento feminino e de 27% para 24% no masculino.
Geografia do voto

A divisão por regiões mostra que o candidato do PSDB perdeu eleitores no Sudeste: passou de 31% para 24% em duas semanas. No mesmo período, Dilma subiu, chegando a 48%, o dobro do índice de intenção de voto do principal adversário. Marina, na região que concentra a maior parcela do eleitorado, passou de 10% para 14%.

A candidata do PV dobrou o número de simpatizantes no Sul, de 5% para 10%. Na região, Serra se manteve com 35% e Dilma oscilou de 44% para 42%.

A candidata do PV só não subiu com índice superior ao da margem de erro no Nordeste, onde aparece com 7% - tinha 6%. Dilma continua líder disparada entre os nordestinos, com 66% das preferências, mesmo patamar da pesquisa anterior, Serra variou de 18% para 16%.

A Região Norte/Centro-Oeste foi a única em que Dilma caiu, de 55% para 46%. Já o candidato do PSDB subiu, de 25% para 30%. Marina também cresceu, de 8% para 13%.

Na pesquisa espontânea - a que mostra os votos mais consolidados, pois os eleitores manifestam suas preferências antes de ler a lista de candidatos, Dilma chegou a 44%, mais do que o dobro de Serra (19%). Marina subiu de 5% para 9%.

Recorde de Lula

O Ibope também avaliou o grau de satisfação do eleitorado com o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para 80%, a gestão é ótima ou boa - é a primeira vez que o Ibope detecta um número tão alto. Apenas 4% da população considera o governo ruim ou péssimo.

Entre os que têm avaliação positiva do governo, 61% se mostram inclinados a votar em Dilma, e apenas 19% no principal candidato da oposição.

Vox Populi

O instituto Vox Populi também divulgou nova pesquisa de intenções de voto, divulgada nesta sexta e encomendada pela TV Bandeirantes e pelo portal de internet iG. A sondagem mostra resultado quase igual ao Ibope. Nela, a candidata Dilma Rousseff aumentou para 27 pontos percentuais a vantagem sobre José Serra.

A petista aparece com 51% das intenções de voto, enquanto o tucano tem 24%. Na mostra anterior, apresentada no dia 17 de agosto, a diferença entre os dois candidatos era de 16 pontos: Dilma tinha 45% e Serra estava com 29%. Também de acordo com o Vox Populi, se as eleições fossem hoje, Dilma venceria a disputa no primeiro turno, levando em conta os votos válidos.

A candidata do PV, Marina Silva, aparece nessa pesquisa com 8%, o mesmo porcentual registrado nade agosto. Os demais candidatos não chegaram a 1% das intenções de voto. O total de votos brancos e nulos é de 5% e 11% não sabem ou não responderam em quem vão votar. A TV Bandeirantes não divulgou o cenário da pesquisa em um eventual segundo turno.

A pesquisa foi realizada com 3.000 eleitores entre os dias 11 e 14 de setembro. A margem de erro é de 1,8 ponto porcentual para mais ou para menos. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), sob o protocolo número 30.235/2010.

Com agências

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Visita às fábricas de Itajaí e Sindicato dos Metalúrgicos






Eu fui juntamente com Ideli e o candidato a Deputado Federal Nikolas 1367 visitar o estaleiro Detroid Brasil, em Itajaí. Fomos muito bem recebidos pelos operários que ouviram com bastante atenção o que tínhamos a dizer.

Logo em seguida visitei às fábricas Pescados Gomes e a AMC Têxtil e assumimos o compromisso de ajudar a fomentar e facilitar a infraestrutura para escoamento da produção. Depois fomos a Joinville e visitamos o Sindicato dos Metalúrgicos, e fizemos um bom debate sobre as eleições e a luta política no Estado.


terça-feira, 14 de setembro de 2010

Discurso de Dilma em Joinville (SC) - 13 de setembro, parte 1

Comício em Joinville






No comício em Joinville com Dilma, Ideli, Eu e Vighatti, mas os deputados da coligação A Favor de Santa Catarina, a grande estrela da noite foi o presidente Lula. Ele lembrou que é preciso votar nos candidatos da nossa coligação para que o Governo de Dilma seja mais eficiente para o país. Ele também afirmou que “nunca se deve duvidar da capacidade de um trabalhador brasileiro e que podem destruir uma rosa, duas ou três, mas nunca impedirão que chegue a primavera.

domingo, 12 de setembro de 2010

Lançamento dos Jogos Abertos






No lançamento do 50º Jogos Abertos de Santa Catariana, os candidatos João Ghizoni e Angela Albino estiveram presentes para prestigiar a festa de abertura. O ginásio estava cheio, com milhares de espectadores para um show pirotécnico, com dança, música e apresentação das bandeiras dos municípios participantes dos jogos. Ghizoni, como foi presidente da Fesporte, encontrou muitos amigos de luta e trabalho, todos empenhados na construção do esporte catarinense.


sábado, 11 de setembro de 2010

Datafolha: Após ataques, Serra cai para 27% e Dilma mantém 50%


Depois de quase quinze dias de ataques virulentos da mídia e da oposição de direita contra a presidenciável da coligação Para o Brasil Seguir Mudando, Dilma Rousseff (PT), o único que perdeu votos, segundo pesquisa Datafolha, foi o candidato do PSDB, José Serra. Dilma ampliou a vantagem sobre o tucano, que agora é de 23 pontos. A petista continua com 50%, Serra caiu de 28 para 27% e Marina subiu de 10 para 11%.

A pesquisa foi encomendada pela TV Globo em parceria com o jornal "Folha de S.Paulo".

Considerando a margem de erro da pesquisa, de dois pontos percentuais para mais ou para menos, Dilma pode ter entre 48% e 52%. Serra pode ter entre 25% e 29%, e Marina, entre 9% e 13%.

Os outros candidatos – Eymael (PSDC), Ivan Pinheiro (PCB), Levy Fidelix (PRTB), Plínio (PSOL), Rui Costa Pimenta ( PCO) e Zé Maria (PSTU) - não atingiram 1% das intenções de voto cada. De acordo com a pesquisa, brancos e nulos somam 4%, e indecisos, 6%.

Foram realizadas 11.660 entrevistas em 414 municípios na quarta-feira (8) e na quinta (9). A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número 28809/2010.

Na pesquisa anterior do Datafolha, divulgada no sábado (4), Dilma aparecia com 50%, Serra, com 28%, e Marina, com 10%.

Votos válidos

Considerando apenas os votos válidos, ou seja, descontando brancos e nulos, a petista alcança 56%, o tucano, 30%, e Marina, 13%.

Segundo turno

Na simulação de segundo turno feita pelo Datafolha, Dilma aparece com 56%, e o tucano, com 35%. Brancos e nulos seriam 5%, e indecisos, 4%.

Fonte: G1

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Lula e Dilma em Santa Catarina


Na próxima segunda-feira (13) haverá um grande comício em Joinville, com a vinda do Presidente Lula e da futura Presidenta Dilma. Eles vêem para reforçar o nosso time catarinense, reforçar o apoio a campanha da Ideli 13, que cresce a cada dia nas ruas do Estado.

Ideli está animada e juntos estamos correndo o Estado, enfrentando a campanha do candidato do contra. “Nós somos do time a favor de Santa Catarina e sempre estivamos ao lado de Lula e Dilma nas ações que deram certo no Brasil. Tenho certeza que como governadora conseguiremos muito mais em parceria com nossa próxima presidente”, assim disse Ideli em atividades realizadas em Joinville nesta quarta-feira (08).

A futura Governadora de Santa Catarina confirma a importância da nossa maior cidade. “Trabalhei muito como senadora para realizar ações que viessem e beneficiar a população de Joinville e Norte do Estado. Conseguimos muito e como governadora nosso compromisso continua e se amplia”.

Ideli explica que são três as prioridades para Joinville e região em seu mandato frente ao Governo do Estado: segurança, saúde e educação. Sobre segurança, a candidata afirma aumentar o efetivo através de concurso público. “Além disso, vamos instalar na cidade Unidades de Polícia Pacificadora, visando combater o crime em ações que integrem repressão e investimentos sociais”. Ela critica o atual quadro, de cerca de 11 mil policiais para uma população estimada em 6 milhões de habitantes. “Em 1982 tínhamos 12 mil policiais para 3 milhões de pessoas. Temos que agir com urgência, pois quem mais sofre com isso são as grandes cidades, como Joinville.”

Sobre saúde, a candidata destaca os recursos que destinou como senadora para o Hospital São José e afirmou criar Unidades de Pronto Atendimento 24h para desafogar o atendimento. “Vamos trabalhar para que os hospitais foquem o atendimento nas especialidades. Também fortaleceremos as gestões e ampliaremos os recursos via Governo do Estado”.

A respeito da educação, a meta de Ideli é ampliar a oferta de ensino técnico profissionalizante, além de investir na UDESC. “Nosso trabalho como senadora resultou na criação do Campus da UFSC e também na unidade do Instituto Federal. Como governadora, vamos ampliar o número de Cedup’s e também dar atenção à nossa universidade estadual”.

Rap da Dilma Presidente

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Costelão do Ori












Hoje passei o dia da independência com meus amigos no 4º Hasteamento da Costela do Ori, no bairro Abraão em Florianópolis. Fiz questão de comparecer e entregar a bandeira do Brasil para os organizadores da festa que contou com muita gente bonita e animada. Agradeço a todos pelo carinho e por ter sido muito bem recebido.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Florianópolis em busca do respeito a Diversidade






A parada da diversidade desse ano foi surpreendente, não só pelo número recorde de participantes, mais de 100 mil pessoas, caminhando, dançando e cantando pela beira mar, mas pela sua diversidade.

A parada é um espaço que congrega sempre gente de todas as ideologias, cores e formas. Mas a sua marca principal e que deve servir de exemplo para toda sociedade catarinense é o respeito mutuo. Respeito a diferença. Todos na parada se olham e se respeitam do jeito que são, e isso é importante no momento em que o ter substitui o ser em muitos aspectos. Nós precisamos é (re) aprender a ver o outro, com dignidade, com integridade, a olhar e ver sempre o ser humano, independente das aparências, essa é a lição que fica para nós e que devemos retribuir, respeitando as diferenças, respeitando a diversidade.

sábado, 4 de setembro de 2010

A CORRIDA PELO ESTADO CONTINUA!


Nessa sexta feira estivemos em Navegantes, Itajaí e em Balneário Camboriú. Em Itajaí estivemos acompanhados do companheiro Marcelo do PCdoB, candidato a Deputado Federal 6505, e realizamos panfletagem no Centro de Navegantes. Visitamos o comércio da cidade e fomos muito bem recebidos. Depois visitamos os estivadores, onde ressaltamos a importância da redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, sem redução do salário. Porque tal medida vai gerar mais trabalho, renda e consumo, em um círculo virtuoso de desenvolvimento.

Visitei também o bairro Murta, dessa vez com o companheiro Volnei do PT 13111, candidato a Deputado Estadual. Escutamos os vários pedidos da comunidade, uma das mais carentes da região, e a maioria dos moradores solicitaram asfaltamento para as ruas que nos dias de chuva ficam intransitáveis, devido ao lamaçal que se forma. As crianças são obrigadas a ir à escola com os sapatos sujos de lama. Este bairro foi um dos mais atingidos pela última enchente, com a água chegando à cima da metade de portas e janelas.

Conversa com o colunista JC do Diarinho e reportagem!

Tive a oportunidade de visitar o colunista JC do Diarinho, em Itajaí. Foi uma reunião com muita descontração, onde pude afirmar que as eleições para o Senado ainda não estão definidas e que acredito na vitória e na virada da Ideli. No mesmo dia, visitamos a redação do Diarinho, onde fui entrevistado e lembrei do papel que cumpri no Ministério dos Esportes, onde recebi mais de 50% dos prefeitos de Santa Catarina.

Na em entrevista à imprensa de Balneário Camboriú, comentei sobre a burocracia do governo e que a oposição nunca ajudou o governo Lula, ainda mais quando o objetivo era acelerar importantes reformas. Agora querem se eleger dizendo que vão trazer obras do governo federal. Me diga uma coisa, quem você acha que pode ajudar mais os catarinenses, eu que sou do time da Dilma que tenho transito no Governo Federal ou o Paulo Bauer que é contra o Lula e a Dilma e que nem implementar o Piso Nacional da Educação no Estado ele fez. Somos o sétimo em arrecadação e o 24º em salário aos profissionais da educação. Uma vergonha.

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Ghizoni o Senador que tem história

A VIRADA DAS ELEIÇÕES É NA RUA


É com esse espírito que estamos indo visitar as cidades e conversar com o povo e pode acreditar, da pra sentir na rua a virada da Ideli aqui em Santa Catarina. Ontem nós estivemos no desfile de aniversário de 160 anos de Blumenau, foi uma grande festa, com desfile na rua central da cidade que reuniu milhares entre público, estudantes e artistas representando tradições típicas da região.

Eu estive la com Ideli e mais os candidatos a deputado Décio Lima e Ana Paula. Juntos realizamos uma boa panfletagem e celebramos com o público esta data tão especial para Blumenau.

Depois fomos fazer uma panfletagem na metalúrgica Antona. Os operários receberam nosso material com carinho, apesar na pressa normal entre a troca de turnos na fábrica. Tive a oportunidade de ressaltar a importância da redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, para que o trabalhador tenha mais tempo para si e sua família, sem haver desconto de salário.

Muita força com Ideli no TICEN em Florianópolis

No início da noite de quinta-feira, dia 2, fomos com Ideli, Vignatti e vários outros companheiros para essa grande festa com os militantes da capital de Santa Catarina, com discursos de muita força e coragem. Os candidatos ressaltaram a importância da militância, pela sua energia e motivação.

“É preciso acreditar na vitória, para que as reformas do presidente Lula não parem e que possam chegar a toda população catarinense”.

Lançamento da candidatura de Círio 13130

A noite ainda tivemos fôlego para mais essa grande festa da candidatura do Círio Vandresen a deputado estadual pelo PT. Centenas de pessoas presentes nos receberam com alegria em São José, no clube Maré Alta.

Nós fomos juntos com o Vignatti, Ideli, Luci, Vânio, Fritz e o Ministro da Pesca, Gregorini. Círio lembrou da importância da família como base da sociedade e razão da existência e que nessa campanha todos os presentes fazer parte do grande time do presidente Lula.


quinta-feira, 2 de setembro de 2010

De olho nas Olimpíadas do Rio de Janeiro em 2016

O programa Bolsa Atleta está dando suporte para quem tem grande potencial competitivo, mas ainda não conseguiu um patrocínio. Os recursos são do governo federal. O valor do benefício mensal varia de R$ 300,00, para atletas estudantes, a R$ 2.500,00, para esportistas olímpicos e paraolímpicos.

Assista à reportagem em vídeo abaixo:

Com o Bolsa Atleta e de olho nas Olimpíadas do Rio em 2016

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Paulo Alceu chega perto da avaliação que temos sobre a Ideli


Paulo Alceu e Ideli

A coluna do Paulo Alceu trouxe hoje algumas questões interessantes sobre a disputa estadual, uma delas é sobre o boato, de que Raimundo Colombo já ultrapassou Angela Amin e que o segundo turno será com Ideli Salvatti.

O colunista não diz, mas deixa passar o entendimento que num segundo turno Colombo é o candidato da derrota. Seja com Ângela ou com Ideli. E que Ideli pode ser governadora de Santa Catarina.

Ele não arrisca antecipar pesquisas “até porque as urnas são soberanas, é que num segundo turno entre Raimundo Colombo e Angela Amin, a deputada do PP tem chances de vitória (...). No caso de Ideli enfrentar Angela é a senadora do PT que poderá chegar. Projeções diante de uma campanha que enfim começou a tomar contornos de disputa”, diz.

Alceu indagou Ideli sobre o crescimento de Dilma Rousseff e seu efeito no estado. Ele fez a seguinte pergunta: Dilma tomou a dianteira e poderá alcançar uma vitória no 1° turno, por que esse fato ainda não envolveu sua candidatura que permanece em terceiro nas pesquisas?

Ideli foi firme na resposta: “Um dos últimos estados onde se deu a virada com Dilma na liderança foi Santa Catarina. Ou seja, é uma questão de tempo, vamos estar no segundo turno.

Cabo eleitoral

Alceu comentou a vinda de Lula. “Não será surpresa se daqui a pouco desembarcar por aqui o presidente Lula para dar uma mãozinha na candidatura de Ideli Salvatti. Agora que Dilma Rousseff está em voo de brigadeiro, a estratégia é fortalecer as candidaturas estaduais e principalmente as proporcionais, já que o presidente quer uma maioria tranqüila no Congresso para respaldar a gestão da petista”.

Redução de impostos

Paulo comentou ainda que a candidata Ideli Salvatti evidenciou que vai trabalhar na meta de redução e até de zerar o ICMS de vários produtos, como os itens prioritários da cesta básica. Ideli declarou que há condições para isso e contou que, no senado uma das propostas colocadas em prática foi a redução dos impostos em itens da construção civil e lembrou que na gestão do presidente Lula não foram criados novos impostos.
Sobre o senado

Na interpretação do presidente do PT, José Fritsch, o presidenciável José Serra que desembarca em Santa Catarina na sexta-feira, começa uma maratona para sedimentar a candidatura de aliados ao Senado. “Ele já reconheceu a derrota e agora quer formar uma oposição sólida no Senado contra a Dilma. Essa é a estratégia deles neste momento. Nós vamos intensificar nosso trabalho em torno do Vignatti e o Ghizoni”, declarou Fritsch.

Surpresa

A liderança de Dilma Rousseff era desejada e esperada pelos petistas. Mas o ex-ministro José Fritsch, que comanda o partido em Santa Catarina, confessou que não acreditava que fosse tão rápida. As previsões levavam para meados de setembro.

Ver para crer

Os aliados do tucano José Serra não jogaram a toalha. Reconhecem a reação da presidenciável Dilma Rousseff, mas acreditam que ainda tem muito chão a percorrer. Apostam nos programas de televisão e rádio, que não chegaram nem na metade, e principalmente na mudança de atitude do candidato.

Nós o mesmo

Vamos virar o jogo e vencer esse primeiro turno, com a Ideli na frente e no segundo turno conversamos quando estivermos la, seja com quem for!

Fonte: Coluna do Paulo Alceu – Jornal Noticias do Dia

http://www.clickric.com.br/ric.com/colunistas.asp?id=2288&id_cat=5&id_jornal=1

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Lula e o preconceito dos poderosos

Apesar da imprensa negar, candidatura de Ideli começa a deslanchar


É o que afirma o presidente estadual do PT, José Fritsch, coordenador de campanha de Ideli Salvatti. Fritsch aposta que o crescimento da Dilma em Santa Catarina vai trazer o eleitor para votar na Ideli. Ele cita outra fato importante, que é a questão do Partido dos Trabalhadores sempre ter uma arrancada boa na reta final das eleições. "Foi assim na eleição de Ideli para Senado e assim com a Dilma, que começou a campanha para presidente bem atrás do então líder nas pesquisas Jose Serra".

Fritsch afirma que já era esperado o crescimento de Colombo(DEM/PSDB) e vislumbra um confronto entre ele e Ideli no segundo turno. “com a vinculação de Ideli a candidatura de Dilma, vamos chegar ao segundo turno. O povo sabe que a Ideli é do time do Lula, que esteve com ele em todos os momentos e faz parte de tudo de positivo que está acontecendo no país, ao contrário do nosso adversário, que foi do contra o tempo todo”.

Na sexta-feira, a última pesquisa do Ibope colocou Dilma dois pontos percentuais à frente de Serra em Santa Catarina, um empate técnico (40% a 38%). Na pesquisa anterior, do dia 6 de agosto, Serra aparecia com 11 pontos de vantagem.

“Isso mostra um deslocamento do eleitorado a favor de Dilma em que 92% da população catarinense aprova o Governo Lula e conseqüentemente Ideli”.